8.4.06

correspondência > selo 2, envelope pardo.


my dear,

então voltei a escrever. tem horas que eu fico me perdendo, é verdade, mas de repente vem uma febre de limpeza e a gente percebe que tem algo de errado. abri portas e gavetas, deixei o sol entrar um pouco. percebi uma coisa hoje: não há nada mais íntimo que reconhecer as reações do próprio corpo. pura experiência de contato. visual, visceral. procure ouvir um pouco mais do teu coração, vai se surpreender. e falando em surpresas, não é que meu correio andou agora a receber correspondências anônimas? sem falar que percebi que fizeram notas embaixo de minha fotos, no pé de página de algum texto. pelo tom de algumas, desconfio que seja gente que conheço. passado fazendo fantasmas de linguagem? outras parecem algo do tipo "nunca te vi, sempre te amei". me lembra o filme de mesmo título e que eu nunca cheguei a ver. só ficou essa idéia poética, assim pairando na memória [fisguei em alguma conversa dessas de vernissage. saudades da vida artística]. e eu fico sem saber o que dizer. o que você diz? me ensina a despistar querendo saber, fazendo enigmas de sedução? se bem que muitas vezes esses jogos me entediam. tem quem não saiba quando parar. e daí tudo desanda e me deixa até arrependido. não, esquece. o melhor é a superfície transparente: eu sou eu. [swift disse "eu sou o eu". me deu até medo de loucura. história de duplos, desdobramentos]. dear, às vezes eu te acho tão impessoal, parece que escreve carta pra qualquer um, sem destino, nem nome. um colocar de cartas aleatório no correio, leia quem quiser. fale mais de você. nesse sentido eu até acho que jogo limpo demais. claro que vez em quando eu faço pose, invento, desvio. mas há de concordar comigo que a verdade também cansa. e por que não mostrar uma vida mais literária, dessas que se lê em biografias, memórias? todo mundo vira um herói. e meu heroísmo aqui você já sabe, o mesmo de sempre. nem falo palavra pra não gastar ainda mais [feito brincadeira de criança, repetir a mesma palavra cem vezes até perder o sentido completo: cara de quem fala língua estrangeira]. ouvindo meu corpo: febre, fome. confusão entre o físico e o espírito [o que significa dizer que ando precisando doidamente de amor]. espero notícias.

p.s. não quero que honey leia minhas cartas. você sabe que tudo o que eu escrevo é segredo. assuntos somente entre mim e você. [soa estranho mas é assim mesmo]

Um comentário:

DO disse...

Gosto muito de vir aqui e te ler...
Bom domingo
Abração!

Pesquisar o malote