6.4.06

anotações de diário.


puro esgotamento. até minha voz ficou saindo como um fio metálico, também quebradiço. quase chorei por não conseguir dormir, terceiro dia hoje. olhos pesados, corpo em febre, náuseas. e sem contar os pensamentos, que galopam com angústia de quem segura crinas de sangue. nem tenho tempo para os sonhos, e de quando em quando aparecem doloridos, coloridos de negro. tento rezar, embora da boca não saia um salmo sequer. vai ver as línguas do inferno estão me lambendo, e por isso me dão essa loucura de sede no meio da noite. quase vou de quatro pra cozinha de tão cansado. fico lambendo água como gato, desses bem vadios. na faculdade, tiver pavor dos longos corredores vazios, hora do almoço, um deserto de almas. me passaram até arrepios, vertigem. nem foi por medo, outra coisa: sou infinitamente menor. na aula professora fez panfletagem caseira, falando tão bem de mim. pura bondade. eu? mal pude levantar os olhos, ver o resto dos rostos da sala. admiração ou inveja pura? esquece. coisas para se pensar: olhar estrangeiro; pensar, fora do eixo [parafusos e poemas]; uma coisa é valor simbólico [leituras, às escondidas]. e mudando de assunto: continuo fazendo cartas-enigma, não consigo me furtar. a vida em si é um mistério [e frase de oscar wilde gritando no meu ouvido - "o mistério do amor é maior que o mistério da morte"]. o ouvido do coração afina os versos. verdade pura. epígrafe perturbadora: "os discursos de quem não viu são discursos; os discursos de quem viu são profecias", do padre antônio vieira. tive tanto medo. será que eu tenho feito profecias, oráculo lunar, boca de coração? [suspeito que alguém esteja gostando de mim]

3 comentários:

Vih disse...

prontooooooooo
ja arrumei o///////

DO disse...

Adorei seu blog tbem,Marcio.
Virei sempre aqui tbem.
Se cuida e melhoras.
Abração!!

Anônimo disse...

Suspeita correta; mesmo que não seja a mesma e idêntica suspeita. Me pergunto - quantos livros você já leu?
O amor pode estar na palavra.

Pesquisar o malote