31.7.07

as cidades.


honey,

estou no interior do país, numa viagem 3x4. o coração roça nos relógios, quase em carne viva. há tanta espera por trás das janelas, há tanta tensão nas cidadelas. um homem veio do verão até o inverno: 2 estações por 1 bilhete de trem sem volta. tudo porque às voltas do lugar onde o sol mora, o amor também fez morada. fiquei com as vistas enamoradas de um jardim. breve veranico. um encontro de tempos: o passado que já não existe mais, o futuro que não existe ainda. um presente. 2 presentes numa ausência infinita, mas não definitiva. acredito imensamente no futuro do pretérito (e na sua existência posterior). o sol batia pelas amuradas, um rosto de madrugada e cansado. fiquei me perguntando que desejos haviam me levado até o interior. hesitei entre as bagagens e as viagens. outras vezes eu não tinha perguntas, apenas um punhado de respostas sem data. parti pelas cidades remendando um fio partido. descobri depois, abrindo garagens e correndo nas margens dos trilhos, que a permanência também é uma forma de partida. por isso minha pele já costura os ponteiros para 1 estação e 1/2. enquanto das janelas do ônibus vejo a maior cidade do mundo engolir os homens que engolem outros homens cheios do mundo.

6 comentários:

Rose disse...

A cada dia que passa eu também parto para lugar nenhum. Sem pressa. Morro aos poucos em silêncio. Eu. E um admirador - quase um álibi - me acompanha: é o Feitozinha.
De lugar nenhum me vou para nenhum lugar. E cá estou eu.Relembrando em silêncio os versos que eu li: "Como é frágil o coração humano — espelhado poço de pensamentos"(...)


Eu te amo.

camipoetisa disse...

dear:
que lindeza "enquanto das janelas do ônibus vejo a maior cidade do mundo engolir os homens que engolem outros homens cheios do mundo."
belo. belo. belo. belo.
bjo

Alberto Pereira Jr. disse...

os homens se engolem.. e o trem parte, como todos um dia ão de partir...

Mundo Fleuma disse...

Olá, seu blog foi indicado por uma amiga. Foi uma ótima indicação. Gostei muito da forma com que você escreve, você é detalhista e expressa muito bem isto. Muitas coisas me chamaram a atenção, e seu contexto principalmente. Espero que possamos manter contato lendo nossas postagens
Até mais ler!

Mundo Fleuma disse...

blog como um lugar de pensamento, reflexão, devaneio, ensaio. nada que esbarre no excesso de um eu supérfluo.Concordo plenamente com você.
Eu ouço muito as pessoas, porém raramente eu falo meus pensamentos, isto me deixa de certa forma mal, o blog tem sido um refúgio, está sendo ótimo.
Mesmo sendo poucos os comentários, cada um deles é importante, e eu prefiro que sejam poucos, pois os poucos tem mais valor que muitos!
Até mais ver

Anônimo disse...

orque tu sabes que és o grande e única escritor da tal de vida (nossa).

e que tuas combinações de palavras são sempre a descoberta dos meus caminhos.

e que o futuro do pretérito não se faça entre nós.

(não há dúvidas que amo)

Pesquisar o malote