1.7.09

nós, os eles.


my dear,


eu já escrevi para você. várias vezes. mas nunca direi o que é seu ou o que é meu nestas linhas. a dúvida nunca foi um benefício. antes disso: é uma maldição. dia após dia, noite após noite, em claro, acordado, no quarto escuro, a porta lacrada. escrevi versos e cartas que não pretendo nomear, tudo para que não me arrependa. às vezes as palavras provocam mais dor que um gesto descuidado. então não somos nós aqui, inscritos na página. são eles. sujeitos desdobrados em papel origami, com ginseng para longa vida e gosto suave da abelha benjoim. não preciso dizer que estou só. sofro e estou só. tudo que não preciso dizer. o que é só o começo para quem vive o apenas depois do ontem, e também os outros dias que virão a ser o passado de hoje. a escrita é um lugar de armadilhas e arapucas. agora mesmo já não reconheço o que escrevo. caí na tentação de enganar sua crença. talvez porque uma voz sopre no meu ouvido as coisas que precisam ser ditas. ou o ele, que se posta ao meu lado da folha, dite as coisas que devo dizer ao outro ele, tu. tu me acostumbraste a ter uma vida terna na marca de pele, aquela que inicia meu corpo. tu me acostumbraste a ter medo de voltar os olhos por um momento sequer. o momento de antes: éramos nós, o antes. você se lembra? mas que digo agora? para que usar você, tu, eles, nós, eu, se não podemos ser mais do que eles? é triste que não sejamos. menti que não sinto o incenso queimando, menti que não gosto de blues, menti sobre keith jarrett. mas já não importa porque a mentira que conto não faz parte de minha alegria contigo. o pequeno susto e a grande surpresa por trás dos lençóis.

3 comentários:

aaluah disse...

esse texto ficou foda! adorei!
não conheço os recursos língüísticos e etc, portanto não creio poder elogiar embasado em conhecimentos desse tipo, entretanto, adorei!

Anônimo disse...

y tú me enseñaste que son maravillosas.
sutil llegaste a mí como una tentación, llenando de inquietud, mi corazón..

por eso me pregunto, al ver que..

camipoetisa disse...

os escritos
pulsam
por aqui
lindamente.

Pesquisar o malote