18.8.06

cartas londrinas.


honey,

não sabia que poderia ser assim, mas é: a intimidade pode ser intimidadora. acho que percebeu o quanto fiquei perturbado com tua presença. (já que de ausência sempre foi feito nosso desejo). estou de volta, obrigado. definitivamente estou no mês das viagens, baby, o que me faz sentir rancores de caixeiro-viajante. estar aqui, estar ali, sem estar em lugar algum. pelo menos o pensamento ficou roçando bonito em coisas bonitas. pensei em trazer postais, mas não o fiz. trouxe memórias fotográficas, visto que os correios se confundiam com correias, malas e partidas. acho que, talvez, por conta do mistério. há coisas que me assustam mais do que o amor, muito mais do que a morte: a apatia. e nem sabia que era assim, de origem grega e difícil. apátheia, a ausência da paixão. e que, de modo algum, esteve ausente entre nós dois. mas agora é longe e as cartas são distantes, embora nunca mais eu tenha a sensação de que tudo é um intervalo, uma imagem estática, um discurso sem rosto. é, por outro lado, também de um sentido grego: exstatikós. um êxtase, um arrebatamento. e se a intimidade foi uma apreensão delicada de ânimos, a amizade íntima, agora, é uma exigência mediada diretamente pelo coração.

(i had a dream. you was my dream)

2 comentários:

camipoetisa disse...

BRAVO!
:O)

Anônimo disse...

e pode virar um pesadelo.

Pesquisar o malote