18.3.07

book of life.


dear,

as coisas sempre são mais difíceis deste lado. a realidade é muita mais complexa que a ficção. o romance da vida está sendo escrito a todo o instante. sem rascunhos e em direção a uma única e definitiva versão. claro que a gente tenta fazer rasuras, apagar cenas, personagens. mas a tarefa é inútil e apenas temporária. vez ou outra a gente cruza pelos mesmos rostos, revive os mesmos lugares, os restos mortais. a vida, dear, não nos deixa esquecer uma página sequer. vontade tenho de rasgar capítulos inteiros, declarar onisciência múltipla, saber de tudo. mas que sei eu de mim mesmo ou do meu futuro? só me conheço cavalo selvagem galopando pela suave lavoura. e quem são os que me seguem? as fantasmagorias do que fui e sou. não me é permitido saber mais, nem voltar atrás. posso eu muito bem é mudar os rumos, as roupas, os gostos. outras coisas permanecem iguais. engano seu se pensa que a memória é uma permanência. ela engana, engole, cospe fora. tem horas que nem sei o quando do tempo é que foram as coisas. às vezes esqueço das próprias coisas em si.
o irônico de tudo é que o mais dolorido é o que faz sulcos mais fundos: não dá para perder de vista o rastro. por isso é que como um suado lavrador enxugo a testa e observo o preparado dos campos. algo haverá de nascer naquela terra, mas leva tempo. só que a vida não tem espera e nem te espera. ela segue levando tudo como a enchente de um rio. nem se importa se é preciso respirar, lançar sementes, aguardar luas. dear, eu ainda acho que estou cru. não vejo por onde vai a última linha. só sei que devo pescar o que ainda me falta: sonhos, amor, coragem. me ancora agora que sou príncipe de fogo, fadas de mar e coroas de crina.
a ficção é muito mais simples.

Um comentário:

frida. disse...

amor, acho que nos afastamos. sinto tua falta quando passo pelos cafés de florianópolis. é tudo tão vazio sem você. penso em você sentado em frente ao computador com muitos cigarros apagados e alguns acesos, procurando fogo. sem alcool dessa vez, amor. tente ver as coisas como elas são.

quero te ver. te abraçar. dizer que te amo. te colocar no colo.

Pesquisar o malote